06/05/2016

Enem: 7 em cada 10 candidatos com nota alta são de classe AB

Levantamento inédito mostra que notas do exame refletem desigualdade social do país

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi criado em 1998 para avaliar a qualidade do ensino médio nacional e, em 2009, transformou-se na principal porta de entrada para o ensino superior. A análise inédita a seguir aponta que o resultado do Enem é um reflexo do impacto da desigualdade social na formação dos jovens brasileiros. O estudo foi feito pelo Mundo Vestibular (www.mundovestibular.com.br), portal de referência em Educação, em parceria com a Educa Insights, empresa especializada em pesquisas educacionais, a partir de dados dos 8,7 milhões de participantes do Enem 2014.

De acordo com a pesquisa, dentre as notas acima de 600 pontos no Enem, 73% eram alunos das classes A e B, contra 27% oriundos das classes C, D e E. A proporção se inverte quando se avaliam os resultados abaixo de 450 pontos: 76.5% das classes C, D e E, contra 23.5% das classes A e B.

Quando se leva em conta se os estudantes vêm de escolas públicas ou privadas, a diferença não é tão gritante entre os melhores resultados, com 56% das privadas versus 44% das públicas. Porém, a desigualdade se torna alarmante entre as notas mais baixas, uma vez que 94% de todos que fizeram menos de 450 pontos cursaram o ensino médio em escolas estaduais ou municipais.

"Os dados provam que não só o estudo, mas também todo o background do aluno influencia seu desempenho no Enem. Olhando os dados do exame, é possível perceber o abismo de oportunidades que existe hoje no Brasil", diz Fernanda Lapidus Hecht, gestora do Mundo Vestibular.

Outro dado interessante encontrado na análise é a parcela de alunos que trabalham ou já trabalharam entre os melhores e piores desempenhos. De todos aqueles que fizeram mais de 600 pontos, apenas 32% já passaram pelo mercado de trabalho, índice que sobe para 52% entre os que tiraram menos de 450. Além disso, os mais novos também se saem melhor. A média de idade dos que tiraram as notas mais altas é de 20 anos. Quem tirou as notas mais baixas, por sua vez, tem, em média, 23 anos.

A pesquisa traz um desafio. “Como um todo, o desempenho dos alunos brasileiros no Enem ainda não é satisfatório. Apenas 9% deles pontuaram além dos 600, enquanto 69% ficaram abaixo dos 450 pontos. Temos muito trabalho pela frente para reverter isso”, comenta Daniel Infante, diretor da Educa Insights. Hoje, o exame é responsável por selecionar mais de 20% dos estudantes que ingressam em faculdades e universidades pelo país, tanto públicas quanto privadas.

 

Sobre o Mundo Vestibular

Criado há mais de 15 anos, o portal Mundo Vestibular tem mais de 2.5 milhões de acessos mensais e é referência em vestibular e Enem. Faz parte do portfólio de sites de Educação da empresa americana QuinStreet, líder em marketing de performance e geração de leads na internet. www.mundovestibular.com.br.

 

Sobre a Educa Insights

Pioneira em pesquisa para o mercado de educação, a empresa oferece um variado portfólio de serviços e soluções a clientes comprometidos com excelência. http://educa-insights.com.br

 

Gostou deste post?

Clique na estrela para avaliá-lo

Avaliação média / 5. Contagem de votos

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!